© 2023 por YOLO.

Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon
Peru, Bolívia & Chile - Relato Completo
MOCHILÃO AMÉRICA DO SUL

Fiz uma viagem de 1 mês com uma amiga pela América do Sul em novembro de 2014.

Começamos na Bolívia, o nosso voô era para Santa Cruz de La Sierra, pois compramos uma promoção maluca da Gol, mas de lá fomos direto para La Paz, num ônibus cama que durou 17 horas de viagem. Da Bolívia fomos para o Peru, de lá para o Chile e então de volta para a Bolívia.

Para quem tem tempo, recomendo esse trajeto redondo. A passagem fica mais barata e as paisagens mudam bastante em cada lugar.

 

Então vou falando na ordem o que eu fiz e o que recomendo!

 

*Dica: Sempre se hospedar em torno da Plaza de Armas, toda cidade do Peru e da Bolívia tem uma e é onde os principais pontos turísticos e restaurantes se encontram.

 

*Dinheiro: Levei todo meu dinheiro em Dólar e alguma coisa no cartão. Achei que levar Dólar foi uma boa escolha, pois não vi muitos câmbios trocando Real.

O Peru e a Bolívia ainda não lidam muito bem com cartões de crédito, então se prepare para ter dinheiro em espécie.

Aliás, é bom levar o dinheiro numa doleira, principalmente se for viajar de ônibus como nós para evitar roubos e 'pick-pockets'.

 

*OBS: Lembre que os preços podem ter mudado, a viagem foi em novembro de 2014!

 

*Transporte: Fizemos todo o transporte por ônibus. Foi bem cansativo, mas bem econômico também. Resumi esses detalhes de planejamento AQUI.

sem tempo de ler tudo? clique no seu destino favorito
roteito completo:
 

 

1. La Paz (3 dias):

Achei 3 dias bom pra La Paz. Além de passear pelo centro da cidade, que leva não mais que um dia, o que tem para fazer é nos arredores da cidade, então é preciso pegar tour. Os tours reservamos um dia antes de cada passeio, lá mesmo. 

No primeiro dia passeamos pela cidade, visitamos o mercado das bruxas, as feiras de ruas e a Plaza de Armas.

 

DIA 2: Chacaltaya e Vale de la Luna - 1 passeio só que vai nos 2 lugares. Fizemos pela Coca Tours, achei boa a empresa.

Chacaltaya é uma estação de Ski abandonada que fica a 5.300m de altitude. No caminho você passa por umas montanhas lindas até chegar lá, onde é possível fazer uma pequena caminhada de 800m para ver a vista. Acontece que a gente não sabia que fazia tanto frio por lá e fomos com casacos finos e estava nublado e com MUITA neblina, então nem subimos para o mirante, mas foi legal de todo jeito.

Depois o tour te leva para o Vele de la Luna, que é bonito, mas nada incrível. Você segue uma trilhazinha demarcada enquanto a guia conta um pouco sobre a cidade.

Frio em Chacaltaya

Valle de la Luna

DIA 3: Downhill pela estrada da morte, é muito irado, super recomendo!!! Fizemos pela Altitude Adventures, muito boa a empresa, marcamos pelo albergue mesmo. Eles te dão as fotos e vídeos do passeio num cd e os guias são super animados!

O tour dura o dia inteiro e é bem cansativo. Você sai de van bem cedinho até um ponto no meio da estrada onde eles dão instruções sobre o downhill e servem café da manhã. De lá começamos a descida numa estrada asfaltada e depois seguimos pela Estrada da Morte, que é uma estrada de terra hiper estreita, considerada uma das mais perigosas do mundo. No total são 64km de descida.

A estrada teoricamente está desativada, mas passaram alguns carros e caminhões enquanto descíamos.

Não vou negar que o passeio é perigoso, mas vale muito a pena e eles te dão proteção e roupa especial. Além disso tem alguns pontos de parada onde tomamos água, Red Bull e comemos uns chocolates para dar energia e reduzir a velocidade das bikes.

No final da descida eles nos levam até um hotel, com restaurante, piscina e redes, onde almoçamos, tomamos banhos e descansamos um pouco até a longa viagem de volta (2 ou 3 horas até La Paz, numa van bem desconfortável).

Hotel onde descansamos no final do passeio

DICA: Se você tiver em La Paz num domingo tem luta livre de cholas! Dizem que é legal, mas não fomos, porque fomos ver um jogo no estádio de futebol... Strongest x Bolivar, bem irado!

Nós no estádio Hernando Siles

HOTEL

Ficamos no Wild Rover. É bom o albergue, mas nada incrível, tipo albergue de festinha! O bar era bem legal e a comida era ótima e barata, jantamos lá todos os dias.
 

 

La Paz - Copacabana: 3h30 - 30 bolivianos (Bs)
 

 

 

2. Copacabana (1 dia):

Eu não achei nada demais em Copacana, o Marcelo curtiu, mas acho que 1 dia é suficiente. Tem basicamente uma praça e uma rua principal, onde ficam os café, bares e restaurantes.
Ficamos num hotelzinho bom, com água quente e MUITO barato (água quente em copacabana é dificicil!), mas "longe" do centrinho (longe = 10min andando, a cidade é mini). Casa del Sol o nome, 30Bs por pessoa.

Porto de onde saem os barcos para a Isla

3. Isla del Sol (1 dia, sem dormir):

O passeio custa 30Bs ida e volta e é muito irado! Compramos o bilhete na noite anterior na agência de viagem que compramos também o bilhete de onibus pra Puno.

Como fomos pra Puno num ônibus noturno logo depois do passeio, pudemos deixar as malas na agência enquanto visitávamos a Isla del Sol. Tem gente que dorme lá, dizem que é bem legal.. mas nosso tempo corrido de viagem não permitiu!
O barco leva 1h30 pra chegar lá. Você desce na parte norte, onde um guia local te leva nuns templos e tal e depois você faz uma trilha pra parte sul... São 3h de trilha, bem puxada (mesmo, porque além de ser bem íngreme, tem a altitude e o calor é forte), mas é lindo, vale muito, principalmente com sol! Só não esqueça de levar bastante água e protetor solar, eu não passei filtro e fiquei toda queimada de sol.

Copacabana - Puno: 3h - 30 Bs

 

4. Puno (1 dia):

Puno é bem caído... fizemos um passeio pra Uros, que são as Islas Flotantes, que é bem interessante, mas MEGA turístico.

Você vai para uma ilhota, onde vivem algumas famílias e eles te contam como fazem a ilha e como eles vivem. Depois você pega um barco típico deles e vai para uma outra ilha com alguns restaurantezinhos, onde comemos choclos con queso (milho).

Mas não sei se recomendo a parada.

Islas Flotantes - Uros

Puno - Cusco: 9h (overnight) Semi-cama - 50 Soles

5. Cusco (4 dias):

Eu AMEI Cusco... 4 dias pode ser muito para algumas pessoas e de fato é mais que suficiente pra ver os principais pontos turísticos, mas eu curti muito a cidade!

A Plaza de Armas é linda, com uma Catedral enorme, que é possível visitar por dentro, e a Iglesia de la Compañia. Em torno da praça tem vários restaurantes, cafés, bares e agências de viagem.

O Centro Histórico é bem pequeno e é legal ficar batendo perna por ele. Passamos por várias praças, becos e ruazinhas super charmosas.

Plaza de Armas

Subindo pelas ruelas você chega em San Blas, um bairro lindo e super agradável, com muitas lojinhas e restaurantes legais.

Na praça de San Blas rola uma feirinha de artesanato também.

San Blas

Além disso, Cusco tem vários museus. Nós visitamos o Qorikancha (museu arqueológico), que é bem legal, com múmias e tudo! E o Museo Inka, que conta um pouco a história do povo Inca, com maquetes e linhas do tempo.

Outro museu famoso por lá é o Museo de Arte Precolombino, mas não quisemos pagar pra entrar. Dizem que o café e restaurante do museu é ótimo também, mas era fora do nosso budget, Rs.

Visitamos também o Mercado Central de San Pedro, que é um mercado super local que e onde achamos os melhores preços nas chompas (casacos típicos) e lembrancinhas.

Descendo a Av. El Sole você chega num muro super lindo: O Mural de la Historia Inca. Se não me engano, o mural é caminho para o Mercado.

Qorikancha

Mural de la Historia Inca

Só fizemos um tour em Cusco (fora Machu Pichu né), que foi o Moray y Salineiras. É um passeio bem maneiro, que dura o dia todo.

Primeiro vc vai pra Moray, que são umas plantações loucas dos Incas que parece coisa de ET. 

Moray

Depois você visita Salineiras, que são umas construções para o cultivo de sal, uma paisagem bem diferente. Você pode ficar andando pelas salineiras e até provar os sais. Eu curti!

Salineiras

Fizemos esse passeio e o de Machu Pichu pela Super tours. A empresa é boa, mas acho que é tudo igual. Tem milhões de empresas por lá, em torno da Plaza de Armas, escolhemos aleatóriamente e deu certo.
 

Agora o que interessa:

 

- Pariwana: Melhor albergue da viagem! Muito bom mesmo, 31 soles no quarto com 8 camas.
 

COMIDA:

- Don Pancho y Esteban - Comida típica e barata // Av. El sol, 765

- La Bodega 138 - pizza divina

- Inka Grill - comida típica mais chique, na Plaza de Armas

- La Pacha - Restaurante em San Blas, charmoso, bom preço e um lomo saltado incrível
 

BARES & NIGHTS:

- Km 0 - Fica em San Blas, vale o passeio pelo bairro de dia e de noite

- El Duende - Bar todo decorado com duendes e fadas, atrás da Plaza de Armas

- The muse

- Ukukos

- The Temple - Night de gringo, porém divertida

- Mithology - Idem
 

*DICA BOA!! Compramos um vale turismo que dá direito a passeios e ingressos de museus em Cusco, valeu a pena pelas minhas contas! Isso você compra no escritório da COSITUC (Av El Sol, 103)

 

6. Valle Sagrado e Machu Pichu (2 dias)

Fechamos o passeio combo, com o Vale Sagrado no primeiro dia. Bem legal, recomendo! Tudo saiu 230 dólares, com hospedagem.

O Vale Sagrado é uma região com várias cidades e sítios arqueológicos às margens do Rio Urubamba.

Primeiro visitamos Pisac Nova (onde tem uma feira de artesanato bem famosa, mas achei cara e não comprei nada) e Pisac Antiga (que são umas ruínas bem bonitas). O legal de ter guia é que ele nos contou várias histórias sobre Pisac e o Vale.

Pisac

Depois fomos para Ollantaytambo que é lindo demais. O lugar é cercado por montanhas enormes e você sobre umas escadarias e tem uma vista incrível do Vale e do rio Urubamba. O legal é que eles construiram templos no topo dessa escadaria usando pedras enormes e até hoje não se sabe ao certo como essas pedras chegaram lá em cima.

Escadaria em Ollantaytambo

De Ollantaytambo pegamos o trem pra Aguas Calientes já a noite. Chegamos lá meio tarde e dormimos num hotelzinho tranquilo que a empresa reservou dentro do pacote (tudo isso está incluso no preço). 

Estação do trem em Ollantaytambo

Acordamos 5h da manhã e pegamos um onibus pra Machu Pichu, que é SURREAL, maravilhoso! Passamos o dia lá, mas não conseguimos ingresso para Wayna Pichu (tentamos com 4 dias de antecedência e não tinha mais, então se quiser subir, se planeje melhor do que nós).

De manhã tivemos um passeio guiado, que recomendo pelas histórias e explicações e um pouco antes das 11h o guia te libera para ficar livre. A Helena subiu a Montanha, que é outra vista, mais alta que Wayna Pichu. Eu estava com febre no dia e fiquei pelas ruinas mesmo. Segundo ela, não valeu tanto a pena subir pois é muito cansativo e a vista fica muito distante, mas que ela curtiu de toda forma.

Descemos a pé, o que eu não recomendo, pois é uma escadaria infinita que destrói seu joelho e panturrilha. E depois fomos nas águas termales (nem curti) e pegamos o trem de volta para Ollantaytambo, onde um motorista de van (da empresa) nos buscou e levou de volta pra Cusco (viagem mega cansativa e desconfortável, mas valeu a pena).

Cusco - Arequipa: 13h (de dia) Semi-cama - 50 Soles

7. Arequipa & Colca Canyon (2 dias):

 

Chegamos em Arequipa a noite, sem reserva de albergue. Tínhamos escolhido um online mas não conseguimos encontrar, então o taxista nos deixou em um que ele disse ser bom, The Point. O albergue era horrível. A cama e o quarto eram ok, o bar tranquilo, mas o banheiro era imundo, tudo era feio e, o pior de tudo, rolava uma música muito alta a noite toda e só tinham pessoas do Staff bebendo no bar.

No dia seguinte procuramos outro lugar para ficar e encontramos o La Casona de Palacio Viejo, um hotel muito bom, onde decidimos pagar um pouco mais do que a média (35 Soles por pessoa) e descançar, pois íamos fazer o tour do Colca Canyon no dia seguinte.

Arequipa é bonita, mas nada íncrivel. A Plaza de Armas é bem bonita e visitamos o Convento de Santa Catalina, que é lindo demais, todo colorido.

Convento de Santa Catalina

Outra atração famosa é o Museu de Arte Colonial, mas por questões financeiras, não visitamos. Fica em frente ao convento.

A cidade pareceu ter uma vida noturna agitada, mas estávamos muito cansadas e resolvemos nos poupar. Passeamos pela Plaza de Armas que fica bem cheia a noite e comemos num restaurante/bar em uma rua de pedestres cheia de restaurantes.

Plaza de Armas

No segundo dia, fizemos um tour de 1 dia para o Colca Canyon. O tour de um dia só te permite ver o Canyon de cima, que é bem bonito, mas imagino que deva ser mais legal a experiência completa de ver por dentro. Só que para isso é preciso dormir no Canyon e fazer 2 a 3 dias de caminhada, e nesse momento, não estávamos com esse pique.

Depois do Canyon eles nos levaram numas termas naturais, que foi bem agradável, e paramos para ver o Vulcão Misti em um mirante.

Colca Canyon

Entrada das termas

 

Como o Canyon é longe, esse passeio é mega cansativo. Saímos em torno de 3h30 da manhã e voltamos para Arequipa umas 20h para pegar o ônibus overnight para o Chile!

 

Para ir para o Chile você precisa ir até Tacna, no Peru e de lá pegar um taxi para cruzar a fronteira. Os taxis são compartilhados e estão acostumados com o esquema. Você passa na alfândega e eles te esperam e te levam até Arica, no Chile.

 

 

Arquipa - Tacna: 6h Bus Cama - 40 Soles

Tacna - Arica: Taxi - 20 Soles

Arica - Iquique: 4h Semi Cama - 20.000 Pesos Chilenos

 

 

8. Iquique (2 dias):

Iquique é uma cidadezinha de praia e surfe muito fofa. Não tem nenhuma atração especial (ela é famosa por saltos de parapente, mas não era o clima da nossa viagem).

Foi um bom ponto de descanço, além de ter sido ótimo ver o mar depois de tanto tempo.

Ficamos num albergue ótimo, perto da praia principal: Backpackers Iquique. Clima gostoso, com um bar, uma área externa e quarto confortável (7.000 pesos por noite).

 

 

Iquique - Calama: 6h Semi Cama - 10.000 pesos

Calama - San Pedro do Atacama: 1h30 - 2.500 pesos

 

 

9. San Pedro (6 dias):

San Pedro eu amei também, foi como Cusco, ficamos mais dias do que precisa, mas valeu super a pena!
Fizemos todos os passeios (menos o Salar) pela Terra Extreme. Achei eles super bons e a moça que nos ajudou a escolher os passeios foi bem honesta sobre o que valia ou não a pena fazermos, tendo em vista que fomos pro Salar depois (parece que alguns passeios são bem parecidos com o que vemos no tour do Salar).

A cidade é mínima, mas um charme. A rua principal se chama Caracoles e todos os restaunrentes estão ou nela, ou em alguma pequena transversal. Outra pequena atração é o Mercado de Artesanias.

A boa é se hospedar perto da Caracoles.

 
 

Calle Caracoles

TURISMO:
 

1. Valle de la Luna e Marte - Paisagem mais famosa do Atacama, incrível e de tirar o folêgo. A dica é ver o por do sol das dunas, inesquecível.

Por do sol no Valle de la Luna

 

2.Salar de Tara - Meu passeio preferido. Foi também o mais caro, pois você vai em 4x4 só com mais 2 pessoas além do guia e é num lugar super remoto e difícil de chegar. Valeu cada centavo!

 

3. Laguna Cejar - Passeio lindo e muito legal, onde é possível boiar numa lagoa cheia de sal, e mergulhar num buraco do meio do deserto (Ojos del Salar). No final, vemos um por do sol espetacular na Laguna Tebinquiche.  

Ojos del Salar

Laguna Cejar

Por do sol na Laguna Tebinquiche

 

3. Vale do Arco-íris - Lindo também, mas esse é o que eu tiraria, pra quem não tem tantos dias na cidade.

 

4. Alugamos uma bike e passeamos pelos arredores da cidade. Dá pra fazer o valle da Luna e Marte de bike (pode ser uma opção pra quem tem menos dias). 

* Existem outros passeios, mas esses foram os que escolhemos. Um dos mais famosos são os Geysers que não fizemos porque já fomos para Yellowstone (casa dos maiores Geysers do mundo) e porque não tínhamos roupa de frio (esse passeio é muito frio, você acorda de madrugada e pega temperaturas negativas).

Outro que optamos não fazer foi as Lagunas Altiplanicas, que a moça da agência de viagens disse ser muito parecido com as paisagens do Salar. Mas tudo vai do gosto, disposição e budget de cada um!

 

ALBERGUE: 

Holtal Rural: muito legal, mas não tem quarto individual (9.000 chilenos). O albergue é bem do lado da Caracoles (rua principal) e tem uma decoração louca e artística muito maneira. Tem umas redes do lado de fora, cozinha e conhecemos um pessoal muito legal lá.

 

 

 

COMIDA

- Delicias de Carmen: Comemos lá quase todos os dias, o prato é barato e é super dá pra dividir... várias vezes sobrou comida, mesmo dividindo! A comida é caseira e bem gostosa!

- Fomos num bar super simpático também (nada demais, na verdade, mas curtimos o clima e a decoração de futebol, haha), Chela Cabur o nome.

- Saímos para dançar num bar com música legal também, Exchange Bar.
 

*OBS: Em San Pedro as casas de câmbio são mais caras que em outros destinos no Chile, então recomendo fazer a troca antes de chegar na cidade. 

Tivemos problemas com os caixas eletrônicos lá que não funcionavam sempre, o que me deixou uns dois dias sem dinheiro, então é legal ir preparado!

 

10. Travessia San Pedro - Uyuni (3 dias)

Fizemos esse passeio pela Estrella del Sur e foi tudo ótimo! Nosso guia era um fofo e não tivemos nenhum problema com o carro! A comida também era de boa, quem prepara é o próprio guia. O grupo que eles juntaram era grande e fomos em 2 carros e foi demais. Todo mundo, sem exessão, era muito legal e tem pessoas que eu conheci lá que falo até hoje.

A travessia é incrível e eu super recomendo.

 

No primeiro dia visitamos lagoas coloridas maravilhosoas, um Geyser e uma terma.

Essa noite você dorme num quarto compartilhado com todo mundo do seu carro (6 pessoas por carro) num lugar super simples, sem poder tomar banho, mas tudo vale a pena.

1/4

 

No segundo dia a paisagem é mais desertica, passando por dunas e montanhas. O dia é mais puxado, porque tem menos paradas e você fica bastante tempo no carro. Em compensação, essa noite é mais tranquila e você fica no hotel de sal, numa suite com banho quente. Vale sair para ver o céu, as estrelas são um show a parte.

Arbol de piedra

 

O terceiro, e último dia, é o mais esperado! Você acorda de madrugada, em torno de 4h da manhã e vai para o Salar. Subimos uma montainha, ainda a noite e de lá vimos o por do sol. Lindo demais.

 

 

Quando descemos, os guias serviram um café da manhã ali no salar e depois caminhamos até um ponto onde eles deixam blocos de sal para os turistas brincarem de montar e, de carro, seguimos para os lados mais desertos, onde tudo que se vê é uma imensidão branca e onde ficamos um bom tempo tirando as famosas fotos de perspectiva. Bem divertido e lindo!

Mas um detalhe: Não fomos na época das chuvas, então o salar estava seco e não formou os espelhos d'água. É lindo de todo jeito, mas fiquei com vontade de voltar e ver os reflexos.

 

Depois disso visitamos o hotel de sal e um lugar cheio de bandeiras do mundo todo e uma refinaria de sal.

Depois fomos para um lugar perto de Uyuni, onde tem uma espécie de cemitério de trens.

 

O passeio acabou lá pelas 15h na cidade de Uyuni, que não tem absolutamente nada para fazer. De lá cada um segue seu destino, o nosso era Potosí.

Como os ônibus eram todos a noite, a galera do nosso tour se reuniu para tomar uma última cerveja num barzinho que achamos por lá.

Galera do nosso tour

 

Uyuni - Potosí: 4h - Não anotei o preço

 

 

11. Potosí (1 dia):

A cidade é pequena mas simpática, tem a Casa da Moeda, que é um passeio legal. Tem passeios paras as minas de ouro lá também, mas não quisemos ir para não dar dinheiro para as empresas de mineração, que aparentemente exploram os trabalhadores.

 

 

Potosí - Sucre: 3h - Não anotei o preço

 

 

12. Sucre (2 dias):

Assim como Potosí, Sucre foi uma surpresa boa. É uma cidade grande, com praças e mercados! A Plaza 25 de Mayo é a mais famosa da cidade e fica super animada no final do dia, com música, famílias e jovens passeando.

 

 
Outras Atrações:

- Mirador - A subida é íngrime, mas a vista é linda e lá no alto tem uma praça super charmosa

- Parque Bolívar

Iglesia de la Merced

 

Mirador de Sucre

 

Ficamos num albergue ótimo, todo lindinho que a noite tinha show e cerveja: Kultur Berlin, super recomendo!

Recomendo também um restaurante gostoso que fomos por lá: Tentaciones, vários tipos de comida.

 

Apesar de ter curtido ambas, acho que não recomendo nenhuma das duas cidades, a não ser que elas encaixem bem no seu roteiro... fomos porque sobraram dias no final (não planejamos a viagem com antecedência). Mas se tivesse que escolher, escolheria Sucre, que é maior e mais charmosa que Potosí.

De Sucre voamos para Santa Cruz (vimos relatos e vídeos de que a estrada Sucre - Santa Cruz é a mais perigosa da Bolívia, então resolvemos não arriscar). Compramos um vôo por 45 dólares, ainda em Cusco, por uma cia aérea boliviana, Amazonas. Até que o vôo foi super tranquilo.

Santa Cruz é bem feia e não tem nada pra fazer. Nosso vôo era de manhã cedo, então passamos uma tarde e uma noite por lá, que acabamos indo ao cinema para não morrer de tédio.

 

 

* OBS FINAL: Muita gente me pergunta que tipo de roupa e/ou sapato é bom levar para essa viagem, então fiz um post sobre isso AQUI!

 

E para sentir um pouquinho o gosto desse mochilão, deixo o vídeo que fiz sobre a viagem.

LINKS RELACIONADOS

GALERIA MOCHILÃO

Sinta o gostinho dessa viagem através das fotos que fizemos.

MOCHILÃO: PLANEJAMENTO DO TRAJETO

Roteiro resumido com os ônibus que pegamos e suas durações

O QUE LEVAR NO MOCHILÃO

Sem saber como preparar sua mochila para a América do Sul, dá uma se inspirada aqui.

Please reload

Por Julia Zettel

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon
Nas Redes
Seu Vídeo
organize sua viagem