• Julia Zettel

Pokhara

A charmosa cidade na beira do lago

Eu visitei Pokhara logo depois de ter terminado a trilha do Everest Base Camp (EBC), que durou 16 dias, então eu estava num clima de descansar e curtir o clima da cidade. Fui com o roteiro aberto, mas acabei ficando 10 dias por lá. Eu amei o clima pacato, as montanhas, bons restaurantes e praticar yoga.


Pokhara é famosa pois é a porta de entrada para as principais trilhas do Nepal (com excessão do EBC), como o Annapurna Circuit, Manaslu Trek, e muitas outras. Tem trilhas de diversas durações e dificuldades, mas como eu estava querendo relaxar não fiz nenhuma delas (tá aí um bom motivo pra voltar).


Estive por lá em dezembro de 2019 e dei muita sorte com o clima, muitos dias de sol. De manhã e à noite fazia bastante frio, e durante a tarde o clima estava ameno e agradável. A cidade também não estava muito cheia, pois dezembro é o finalzinho da temporada de trekking na região.

TURISMO

Se a ideia for só visitar os pontos turísticos, 2 dias são suficientes para conhecer Pokhara.

- Phewa lake: Principal lago da cidade. O centrinho turístico e vários restaurantes ficam à beira dele.


- Shanti Stoupa (World Peace Pagoda): Estupa construída no alto de uma colina para simbolizar a paz. A vista de lá é linda e é legal de visitar no por do sol. Nós fomos até lá de scooter (que alugamos no centrinho), mas é possível ir de táxi, ou a pé também.



- Sarangkot: Montanha perto da cidade que se sobe para ver o nascer do sol. É muito lindo! Dá para subir e descer de táxi ou caminhando (é uma caminhada longa).

- Pame: Caminhando pela beira do lago na direção oposta ao centro, você chega em Pame, um pequeno vilarejo ainda mais pacato que Pokhara, com alguns restaurantes.

- Matepani Gumba: Monastério budista um pouco mais afastado do centro (fomos de scooter). Quando fomos o único dia de visitação eram aos sábados, vale conferir.

Fora isso, ficamos apenas passeando pelo centrinho, que tem várias lojinhas e restaurantes, vimos um jogo de futebol no estádio da cidade, praticamos yoga e relaxamos.

YOGA E CINEMINHA EM POKHARA

Existem várias opções de lugares ao longo da rua principal com aulas no esquema "Drop in", que é basicamente chegar e fazer aula. A que eu me apaixonei (e tinha um dos melhores preços) foi essa:

- Lotus Corner Café: Achei o professor ótimo e a aula era quase na beira do lago, muito gosoto.

Outro programa bem gostoso que fizemos por lá foi ver filmes, num esquema de quase cineminha. Muito legal. Fomos em 2 lugares:

- Movie Garden: O lugar é um charme... tem uma espécie de anfiteatro e uma tela super boa, onde eles passam filmes por Blue Ray. Eles servem pizzas e drinks também, além de pipoca. O ingresso é pago e, se não me engano, custava 300 rúpias. A programação dos filmes fica disponível num cavalete na rua principal ou no Instagram deles.


- The Blind Tiger: A qualidade no filme não é tão boa quanto do outro, mas a vantagem é que esse é de graça. Eles servem umas comidinhas também e bebidas, que é legal consumir, já que o filme é grátis ;)

A programação fica em frente ao bar, na rua principal.

ONDE COMER

- Juicery Cafe: Lugar mais fofo e delicioso de Pokhara. Os pratos são no estilo brunch, super bem servidos e os sucos são deliciosos também. Mais carinho, comparado com os restaurantes locais que eu vou indicar, mas vale muito a pena. Dica: Qualquer coisa é boa, mas o ovo pochê com cogumelos estava especial. O Shakshuka e o bowl de açaí também estavam ótimos (claro que não era um açaí igual ao nosso, mas foi bom pra matar as saudades).


- Gorkha: Restaurante simples de comida nepalesa e indiana, super barato e gostoso. Dica: Panneer Butter Massala.


- Unique: Restaurante simples também de comida local, simples, barato e gostoso. Pedimos um Malai Kofta, bem honesto.


- Shiva Sagar: Restaurante simples de comida nepalesa e indiana, super barato e muito gostoso. Atendimento muito bom também. Dica: Veggie burger ou Panneer Butter Massala

- Krazy Gecko: Restaurante super charmoso na beira do lago, com mesinhas de madeira e colchões no chão. Comida super boa também. Dica: Veggie burger, a massa, o hummus e a house fries.


- Lake Lovers Cafe: Veggie burger delicioso, preço super bom também.


- Green Peace Cafe: Dica: Fried Panneer com legumes e purê e o Veggie burger (nota-se que eu estava na vibe do Veggie burger haha).


- OR2K: Restaurante israelense, mais carinho também, muito gostoso. Fui no de Kathmandu duas vezes, em Pokhara preferi provar os restaurantes mais locais, mas se estiver buscando algo mais internacional, super recomendo.


- Roadhouse Café: Restaurante mais carinho e arrumadinho, muito bom. Também só fui no de Kathmandu mas tinha achado muito bom.


- Fresh Elements: Restaurante natural super recomendado que acabei não provando.



ONDE FICAR

Eu fiquei num hostel mais afastado do centro, o Zostel. O clima era uma delícia e super de paz e o lugar é lindo (vide a foto abaixo), mas talvez gostaria de ter ficado um pouquinho mais pro centro e não achei o atendimento muito bom. A internet também não funcionava muito bem. De todo modo, o quarto privado era bem bom e as áreas comuns também, com sinuca e uma área boa pra trabalhar ou relaxar.


Depois que eu fui embora meu amigo mudou para o Forest Lake Backpackers e recomendou muito. Ele ainda é num canto mais tranquilo da cidade (bem em frente ao Lotus Corner, do yoga), mas mais perto de tudo que o Zostel e pareceu ser muito bom mesmo, com ótimo preço.


Outro lugar que eu vi e achei uma graça (mas não conheço ninguém que tenha se hospedado para garantir que é bom) foi o The Canvas Cottage. São cabaninhas na beira do lago, com redes na varanda, pareceu uma delícia.

#ásia #nepal #pokhara

0 visualização

Por Julia Zettel

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon
Nas Redes
Seu Vídeo
organize sua viagem

© 2023 por YOLO.

Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon