© 2023 por YOLO.

Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon

Chiang Mai

22.01.2018

 

Visitar Chiang Mai foi o que nos fez ir para a Tailândia em novembro, arriscando pegar o fim da temporada das monções. Isso porque nesse mês ocorrem os festivais Yi Peng e Loy Krathong.

Os festivais são incríveis (vou falar deles mais abaixo) e a cidade foi uma bela surpresa.​

 

Fomos e voltamos de Chiang Mai de trem noturno (são 13 horas de Bangkok) e já já sai um post falando dessa experiência super legal.

 

*A moeda local é BATH (THB) e, no final de 2016, 1 THB equivalia a, mais ou menos, 10 reais.​

 

 

 

TURISMO

 

Chiang Mai é uma das cidades da Tailândia com o maior número de templos e tem vários bem legais de se visitar. Mas a cidade não é só isso! Ela fica próxima à montanhas e muita natureza e tem um clima bem legal com vários cafés e restaurantes gostosos.

 

Outra atração famosa em Chiang Mai é o turismo com animais, em especial tigres e elefantes. Peço que você tenha MUITO cuidado ao escolher um local legal se resolver visitar esses centros. A maioria dos lugares maltratam, dopam e exploram os animais (mesmo a maioria dos sites dizerem o contrario) e pagar por esse tipo de serviço é financiar essa prática tão cruel.

 

 

TURISMO - TEMPLOS

 

 

*Assim como em Bangkok, nos templos de Chiang Mai mulheres precisam cobrir os ombros e joelhos, mas aqui nem todos tem locação de vestimentas (no Doi Suithep tem). A dica no calor é sair com saias ou calças leves abaixo do joelho e um pano na bolsa para cobrir os ombros.

 

​- Doi Suithep: É o Templo mais famoso e é bem imperdível. Ele é lindo e fica no alto das montanhas.

Como chegar: Tuk Tuk ou Songthaew (que é um tuk-tuk coletivo bem comum em Chiang Mai). Com o coletivo cheio (8 pessoas) sai 50 THB cada perna, nós só conseguimos mais um senhor para dividir e saiu 200 THB por pessoa (ida e volta).  

O templo custa 30 THB para entrar (valor de 11/2016)

 

 

Wat Chedi Luang: Templo em ruínas, bem interessante também.

 

 

- Wat Phra Singh: O mais importante e conhecido templo de Chiang Mai

 

 

 - Wat Chiang Man: Templo mais antigo da cidade.

 

 

TURISMO - CONHECENDO A CIDADE

 

- Night Bazar: Achei o Night Bazar o melhor lugar para comprar lembranças da viagem toda, tinha bastante coisa legal e por preços ótimos. Além disso, é um lugar bem bacana para sair a noite, comer e beber. O tuk-tuk nos deixou num lugar super fofo, com vários food trucks de tudo que é comida e banda ao vivo. Bem legal!

Funcionamento: 18h30 à 00h

 

 

- Sunday Walking Street: Infelizmente não conheci pois não passei nenhum domingo na cidade, mas parece ser bem legal. Funcionamento: 16h à 00h

 

- Warorot Market: Mercado interno diurno que tem de tudo! É bem legal para quem curte ver feiras de comidas típicas. Lá também vendem umas roupas com preços bem bacanas.

 

 

- Aula de culinária: Acabamos não fazendo por falta de planejamento (deixamos para reservar em cima da hora e não achamos vagas), mas parece ser uma experiência bem legal.

 

 

 

TURISMO - ANIMAIS

 

Como eu já falei acima é muito importante pesquisar sobre o local que você pretende visitar com muita atenção. Recomendo olhar comentários e avaliações de viajantes em sites como o Trip Advisor.

Depois de muito pesquisar, resolvi não visitar nenhum centro de tigres (como o famoso Tiger Kingdom), pois acredito que animais tão selvagens não devam ser domesticados nem enjaulados. Há histórias de que os animais são dopados ou hiper-alimentados para estarem dóceis, e mesmo que não sejam, acredito que para terem sido adestrados sofreram em algum momento da vida.​

 

Os elefantes passam pela mesma situação e muitos são tão explorados que fazem apresentações e até mesmo pinturas com as trombas, um absurdo. Mas pesquisando bem, achei alguns santuários de elefantes que resgatam esses animais que sofreram abuso e cuidam deles. Um grande diferencial desses locais, e que achei bem legal, é que você não monta nos elefantes, apenas caminha lado a lado com eles pela floresta.

 

Acabei fazendo o passeio de meio dia e foi super legal. Primeiro a gente alimentou os animais com cana e banana e depois fizemos uma trilha pela floresta ao lado dos elefantes. No final chegamos num rio, onde demos banho neles (muito divertido) e para finalizar os guias nos levaram numa cachoeira super gostosa.

 

 

​Centros recomendados:

- Elephant Jungle Sanctuary

- Elephant Nature Park

 

 

TURISMO - AREEDORES

 

Partindo de Chiang Mai é possível fazer vários passeios de bate-volta, ou até mesmo de 1 ou 2 noites. Dos que eu queria só consegui fazer o White Temple (templo branco).

 

Chiang Rai & White Temple: É onde se encontra o templo branco ou Wat Rong Khun. O templo é realmente impressionante e super legal de visitar, é bem diferente de tudo que você vai ver no sudeste asiático. É um templo contemporâneo e dentro tem uma parede pintada com super heróis. Uma loucura.

Para chegar lá recomendo que você alugue um carro, ou um guia particular. Eu fui de excursão e achei bem frustrante, pois eu só queria ver o templo e todos os tours incluem outras atrações que achei bem chatas. Então passamos o dia todo numa van (de 8h até 21h) para ter visitado o templo em 45 minutos.

Eu fiz pela Travel Hub, nossa guia era uma amor e muito bem informada. Ela mesmo sugeriu que avaliássemos o site dizendo que o tour era muito longo.

 

As outras atrações eram: Golden Triangle (com passeio de barco até o Laos pagando extra), Fronteira com Myanmar e Karen Vilage (Vila de refugiadas que na verdade é uma feirinha de artesanatos. Essas não são as mulheres girafa. Li que o turismo delas é super exploratório e uma espécie de zoológico humano, pois o dinheiro que você paga pela visita não vai para elas. Então escolhemos um tour que não incluísse essa parada).

Se você se interessar pelas outras atrações, pode valer a pena fazer com essa empresa, pois gostei muito da nossa guia, mas num geral recomendo fazer por conta própria (é possível ir de ônibus local para Chiang Rai também, mas não cheguei a me informar).

 

 

Não consegui fazer os outros passeios pois não sou fã de tour (ainda mais depois da experiência acima) e fiquei com medo de alugar um carro (lá é mão inglesa), mas vou listar eles aqui porque acho que valem a pena:

*OBS: Depois de ter dirigido mão inglesa em outros países recomendo fortemente alugar um carro para os passeios nos arredores de Chiang Mai. Mão inglesa não é um bicho de 7 cabeças e a liberdade de se locomover por conta própria não tem preço.

 

- Doi Inthanon: Parque Nacional onde fica a montanha mais alta da Tailândia. Tem cachoeiras, templos e trilhas. Parece que o nascer do sol é maravilhoso.

 

​- Chiang Mai Canyon: Da pra ir de moto ou carro. Vale ir cedo por causa do sol. Lá perto tem um restaurante (não pode levar comida) - 50 THB para entrar.

 

 

ONDE COMER

 

- Huen Phen: Comida típica do norte tailandês, gostoso, bem local e cuidado com a pimenta, rs. - Só abre no almoço.

 

 ​- Ruen Tamarind: Também de comida típica do norte

 

​- Bird's Nest Café: Café ao lado do nosso hotel maravilhoso, com produtos orgânicos.

 

- Girasole: Restaurante italiano, comemos uma massa gostosa. 

 

- Tree Sis Coffee: Outro café gostoso e super fofo, perto do Wat Phra Singh.

 

- Taa Peng Cat: Restaurante/café super charmoso. Comi um sanduíche muito bom​.

 

- By Hand Pizza: Pizza no forno a lenha deliciosa.

 

 

 

OS FESTIVAIS: YI PENG & LOY KATRHONG

 

Ambos festivais ocorrem em Chiang Mai na mesma época do ano, normalmente em novembro.

Estar lá nessa época foi bem emocionante e uma experiência inesquecível. Super recomendo programar sua viagem para vivenciar os festivais.

 

O que eles representam:

No Yi Peng, milhões de lanternas luminosas são lançadas ao céu celebrando o fim da temporada de chuva (foto abaixo).

Já no Loy Kathrong (que pode se traduzir como “Coroa flutuante”) as pessoas colocam enfeites com flores e velas no rios. A vela é homenagem ao Buda, enquanto o ato de colocar a coroa no rio simboliza uma limpeza pessoal do ódio, da ira e da corrupção. Outra versão é que seria um agradecimento a Deusa da Água, Phrae Mae Khongkoha.

 

Como ver:

Para curtir as festas basta caminhar no final do dia pela beira do rio Ping, lá muitos locais e turistas lançam suas velas na água e lanternas no céu. É por ali também que passa o desfile oficial.

Agora, se você quer tirar aquela foto onde tem milhares de lanternas concentradas no céu é preciso sair do centro. No dia do Yi Peng acontece o Mae Jo Mass Release que é um evento turístico fechado e pago (e é bem caro, em torno de 100 dólares no mínimo), onde todos os turistas soltam suas lanternas ao mesmo tempo. O Mae Jo acontece no Lanna Meditation Center e as agências que vendem ingresso online normalmente providenciam transporte.

Eu não quis pagar pelo espetáculo mas consegui sentir um gostinho dele! Me juntei com um grupo de amigos e fechamos um coletivo para nos levar para esse lugar. Lá em volta ficam vários turistas que também não pagaram soltando suas lanternas e é possível ver as lanternas voando todas juntas que foram soltas lá de dentro. Muito mágico!

 

 

ONDE SE HOSPEDAR

 

Se você olhar Chiang Mai no mapa, vai notar que tem um quadrado bem no meio da cidade. É dentro dele que fica a cidade histórica e onde está a maioria dos restaurantes e atrações turísticas. Nós ficamos dentro dele e não nos arrependemos.

As acomodações fora dele são mais em conta e podem valer a pena se você quer um custo-benefício melhor.

Quem curte uma vida noturna mais animada, acho que é legal ficar no entorno no Night Bazar.​

 

 

ONDE DORMIR

 

Ficamos no Werun Boutique Hometel, no centro. O hotel era muito confortável e o quarto bem bonitinho, pequeno mas com um design legal e tudo bem novinho. O hotel era perto dos templos do centro e de vários restaurantes e cafés. Não achei incrível, mas gostei.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

Por Julia Zettel

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon
Nas Redes
Seu Vídeo
organize sua viagem