© 2023 por YOLO.

Orgulhosamente criado com Wix.com

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon

Bangkok

22.01.2018

 

Bangkok é a capital da Tailândia e o principal centro do sudeste asiático. Ao planejar uma viagem por esses lados você com certeza vai passar algumas vezes pela cidade (ou um de seus 2 aeroportos).

Bangkok foi a minha primeira parada na Ásia e confesso que o caos da cidade grande e o contraste de culturas me deixou um pouco perdida no começo, mas cidade tem seu charme e os pontos turísticos são realmente de tirar o fôlego! 

 

Ficamos ao todo 6 dias na cidade (chegamos e saímos por Bangkok e foi mais do que suficiente para conhecer bem, então deixo aqui minhas dicas e impressões. 

 

*A moeda local é BATH (THB) e, no final de 2016, 1 THB equivalia a, mais ou menos, 10 reais.​

 

* Dica 1: Chegando do aeroporto internacional (BKK) você tem 2 opções:

1. Taxi - Opção que escolhemos na ida, pois estávamos hospedados na Khao San Road e lá perto não tem nenhuma estação de Sky Train nem metrô por perto. Com taxímetro o taxi custou em torno de 550 THB. Não é a opção mais econômica, mas depois de um longo vôo cansativo vale o conforto.

2. Airport Rail Link - Você pode pegar o Skytrain direto do Aeroporto até a estação Phyathai, que faz conexão com o metrô (BTS). Leva em torno de 30 a 40 minutos e o trem para em outras 6 estações no caminho. O bilhete custa 45 THB. Fomos para o aeroporto de Skytrain, pois nosso hotel na volta era próximo a Phyathai, e foi super tranquilo!​

 

*Dica 2: A maioria dos templos exige que mulheres estejam com ombros e joelhos cobertos. Para driblar o calor absurdo é bom levar uma canga e/ou pashmina na bolsa pra se enrolar antes de entrar. Muitos templos alugam blusas e saias, mas é um tempo que você acaba perdendo. Uma boa também é levar saias longas e calças fresquinhas na mala, facilita bem a vida sem precisar morrer de calor.​

 

*Dica 3: Como é tradição em diversos países da Ásia, é preciso negociar o preço de quase tudo.​

 

*Dica 4: A melhor maneira de se locomover pela cidade (fora caminhar a pé) é de taxi (SEMPRE com taxímetro). Achei que dividindo por dois saía mais ou menos o preço do metrô, que é a segunda melhor opção.

Os Tuk-Tuks são bem divertidos mas muito mais caros, vale dar uma volta só pela diversão (não esqueça de negociar o preço).

 

 

QUANTOS DIAS FICAR EM BANGKOK

 

Na hora de calcular quantos dias você vai reservar pra Bangkok, vale levar em consideração se é sua primeira parada na Ásia ou não, pois caso seja é importante saber que você vai chegar cansado e que o fuso atrapalha bastante nos primeiros dias, então caso você visite a cidade vindo do Brasil, recomendo deixar um dia extra para descanso ou para conseguir ter dias menos corridos.

No dia que cheguei, por exemplo, dormi a tarde toda, não consegui ver nada, apenas saímos para jantar, rs.

 

Acho que 3 ou 4 dias é o suficiente para visitar tudo, incluindo um dia de bate e volta em Ayutthaya (antiga capital do Império). ​

 

Depois de 5 dias em Bangkok (o 6º foi na volta) seguimos para Chiang Mai de trem noturno. A experiência foi incrível e depois eu conto mais sobre ela.

 

TURISMO - TEMPLOS

 

- Wat Pho (Buda reclinado): O Buda é realmente impressionante, tão grande (45 metros) que as fotos não conseguem captar. O restante do templo também é bem bonito e foi lá que nasceu a massagem tailandesa. Lá dentro tem cursos e é possível fazer massagem também.

O espaço é bem grande então, se você tiver tempo, recomendo visitar em dias diferentes o Wat Pho e o Grand Palace (outra principal atração)

- Funcionamento: 8h às 18h30 - 100 THB (preço do final de 2016)

 

 

- Grand Palace e Buda de Esmeralda (Wat Phra Kaew): O complexo é maravilhoso, cheio de cores, brilho e muitos detalhes. O Wat Phra Kaew é o templo budista mais importante da Tailândia e a imagem do Buda, apesar de ser bem menor que o usual, é incrível. É uma das atrações mais cheias, mas é realmente imperdível. Muitos blogs recomendam chegar cedo, mas nós fomos em torno de 11h e não pegamos fila.

Vale lembrar que homens precisam ir de calça (eles alugam roupas, mas sempre tem fila para pegar. Você paga um depósito de 200 THB e eles te devolvem no final).

- Funcionamento: 8h30 às 15h30 - 500 THB

 

 

Wat Arun (Templo do amanhecer): Fica na beira do rio Chao Phraya e como, infelizmente, ele estava em obras quando visitamos (cheio de andaimes e sem poder subir nas torres), achei mais bonito de longe. A dica é ver o por do sol do outro lado do rio.

- Funcionamento: 8h30 às 17h30 - 50 THB

 

 

- Wat Traimit (Buda de ouro): Esse templo é bem mais simples que os outros, mas o enorme Buda de ouro impressiona. Ele fica perto de Chinatown, então é interessante fazer essa visita casada. -

Funcionamento: 9h às 17h - 40 THB

 

 

 - Ayutthaya: Foi um dos passeios que mais curtimos. É uma cidade próxima à Bangkok e tem vários templos e ruínas incríveis (foto abaixo). Reservei um post só pra isso.

 

- Outros templos que li mas não visitei: Wat Suthat e Wat Saket

 

 

TURISMO - MERCADOS

 

- Chatuchak Weekend Market: Se você tiver um final de semana em Bangkok esse mercado é imperdível! Ele é considerado um dos maiores mercados do mundo e é o melhor lugar da cidade para comprar roupas lindas a preços surreais de baratos! Ele é dividido em duas metades, a primeira parece um mercado de rua comum com artesanatos, roupas simples de feirinha e coisas para casa. A segunda metade são pequenas lojinhas, com ar condicionado e tudo, que vendem roupas de todos os estilos por preços ótimos.

- Funcionamento: 6h - 18h | Para chegar: Metrô Mo Chit Station ou Kampheng Phet Station. Da Khao San um taxi custa uns 100 THB.

 

 

- Mercado Flutuante: Bangkok tem vários mercados flutuantes, uns mais turísticos (e fotogênicos), outros menores e mais locais. O mais famoso é o Damnoen Saduak Floating Market e é preciso fechar um tour para lá. Não nos organizamos e acabamos não visitando, mas confesso que ficou a curiosidade.

 

- Maeklong Railway Market: Mercado que acontece nos trilhos do trem. A maioria dos tours para lá fazem o mercado flutuante junto. Esse eu queria muito ter ido e não fomos, ficou um arrependimentozinho (deixamos para o último dia da viagem e eu estava doente, então não deu pra ir). A experiência parece bem legal.

 

 

TURISMO - CONHECENDO A CIDADE

 

- Khao San Road: A famosa rua dos mochileiros é uma das coisas mais loucas/diferentes que eu já vi na vida. São mil bares, restaurantes, vendedores ambulantes, comidas típicas, insetos, massagem, laughing gas, lojas e tudo que você puder imaginar rolando ao mesmo tempo. Apesar de ser bem turística, é bastante divertida. Se você quiser provar insetos, lá é o lugar (sério, só vende lá, o que mostra que não é exatamente um hábito local, então pulei a experiência. O Marcelo comeu um escorpião, rs).

 

 

Rambuttri: Rua paralela a Khaosan é a prima mais calma, mas cheia de restaurantes, bares e casas de massagem também. Comemos lá quase todas as noites e foi lá que fizemos massagem também.​

 

 

Chinatown: É basicamente uma rua, bem caótica, com várias barraquinhas vendendo as mais variadas coisas. Fomos de barco pelo Chao Phraya, é só descer Pier N5 (Lachawon)

 

​- Fazer uma Massagem Tailandesa: Simplesmente maravilhoso e muito barato.

 

- Passeio de barco pelo Rio Chao Phraya: Os barcos são usados como forma de transporte público e super vale pegar algum pra se locomover. Fomos do Wat Arun para Chinatown e do Grand Palace para a estação de BTS Saphan Taksin​

 

- Siam Square: Área dos shoppings. Ficam todos perto um dos outros e tem vários. Fomos MBK (shopping de eletrônicos) comprar uma câmera, os preços lá são muito bons (5º andar: só lojas de foto), no Siam Center para almoçar e fomos no World Center (que é enorme) almoçar outro dia e comprar um Ipad para os meus pais.

 

 

ONDE COMER

 

Nahm: Na lista dos 50 melhores restaurantes do mundo e o melhor da Ásia. Realmente maravilhoso, melhor refeição que fizemos na Tailândia. - Preço: 600 a 800 THB o prato. Menu degustação 2.500 THB - Precisa de reserva

 

 

Green House: Restaurante na Rambuttri, super gostoso com um cardápio bem variado e ótimos preços, comemos lá várias vezes, Rs.

 

- Buddy Bear: Restaurante simples e gostoso na Khaosan.

 

 

NOITE

 

- Vertigo & Moon Bar: Rooftop onde foi gravado "Se beber não case". A vista é linda mas achei os preços bizarros.

Outro bar nessa linha é o Sirocco, parece que a vista lá é ainda mais bonita e os preços mais caros. Ambos tem restaurante e homens não podem ir de bermuda. Fomos só no primeiro.

 

 

​- Balance: Bar simples mas bacana na Khaosan

 

​- Asiatique: Não visitamos mas li essa dica em alguns blogs. É um espaço com restaurantes, feirinha, shows e bom câmbio - Tem barco grátis do BTS Saphan Taksin - 17h às 00h

 

 

ONDE SE HOSPEDAR - PRINCIPAIS REGIÕES

 

O meu grande drama ao programar minha viagem pra Bangkok foi escolher em que área da cidade me hospedar. Você tem 3 opções principais: 

 

1. Khao San Road e arredores: A rua dos mochileiros é a área mais turística da cidade e também a mais em conta. A vantagem aqui é que você consegue ir a pé para quase todos os principais pontos turísticos da cidade. A desvantagem é a bagunça e o barulho. No final foi onde optei ficar e não me arrependi. Era fácil achar lugar pra comer e beber e a zona era menos caótica do que imaginei. Só teria ficado na Rambuttri (rua paralela) ao em vez da Kaho San em si. 

 

2. Sukhumvit: Bairro mais moderno e cosmopolita, com vários hotéis, restaurantes chiques, shopping centers e lojas. A vantagem é que várias estações metrô (BTS) na região e a desvantagem é que você depende dele para tudo, já que não fica próxima às atrações turísticas. 

 

3. Riverside: Região às margens do rio Chao Phraya. Fica longe do agito, mas é onde estão os hotéis de luxo. Essa região é boa para quem não tem um orçamento limitado.

 

 

ONDE DORMIR

 

Ficamos no D&D Inn, na Khao San Road. O hotel era confortável e o nosso quarto não era tão barulhento como fiquei com medo que fosse, pois era de frente pra rua mas no sexto andar, então o barulho não atrapalhou em nada. A piscina era maravilhosa! O único problema é que o hotel estava em obras, mas nada que nos atrapalhou muito, só achei um pouco estranho.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

Por Julia Zettel

  • Black Instagram Icon
  • Black YouTube Icon
  • Black Facebook Icon
Nas Redes
Seu Vídeo
organize sua viagem